Número total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Visita guiada à Igreja de Stª Maria do Olival



No passado dia dezasseis de Junho, na aula de História os alunos do 7º D fizeram uma visita guiada à Igreja de Stª Maria do Olival. Tratou-se de uma actividade realizada em articulação com os formandos do Curso de Gestão Turística e Cultural do Instituto Politécnico de Tomar. Acompanhados pela professora de História e guiados pelos formados, os alunos foram à descoberta dos elementos arquitectónicos góticos e românicos presentes no edifício, destacando-se os seus pormenores místico-religiosos. Sempre com o espírito de Gualdim Pais presente, os alunos aprenderam sobre a origem, funções e influência do edifício, sem esquecer claro está, as lendárias histórias do Tesouro dos Cavaleiros Templários.
A finalizar a visita, os alunos foram armados Cavaleiros e já como vassalos da Ordem do Templo, sentaram-se a saborear o lanche que merecidamente lhes foi fornecido.
A professora de História: Esmeralda Xavier

Encontro de Gerações


     Foi uma tarde diferente e repleta de bons momentos que no dia seis de Junho partilhámos com os idosos do Lar de S. José. Com o nosso projecto de turma – “Encontro de Gerações” – promovemos o convívio com pessoas idosas, através de um espectáculo diversificado que envolveu várias actividades preparadas, ao longo dos últimos meses, em Língua Portuguesa, Educação Musical, Formação Cívica e Estudo Acompanhado e em que contámos com o apoio imprescindível da professora Clementina Freitas do Clube de Teatro.

     A actividade central do nosso projecto foi a dramatização de um texto escrito e interpretado por nós sobre as tradições da Festa dos Tabuleiros, que envolveu a interacção de personagens de diferentes gerações. Até as professoras nos surpreenderam com a sua divertida participação, que não esperávamos! O cenário, muito apreciado por todos os presentes e depois oferecido ao Lar, foi realizado pela professora Paula Mourato. Apresentámos também poemas de Miguel Torga, António Gedeão, Sebastião da Gama e Fernando Pessoa, entre outros autores, bem como alguns da nossa autoria. Houve ainda vários momentos musicais, destacando-se a interpretação do tema “Queda do Império”, que muito agradou à nossa assistência. E, claro, tivemos de repetir! Neste encontro marcado entre diferentes gerações, colaboraram connosco meninos do 1.º ciclo da Escola Infante D. Henrique, que simularam a procissão dos Tabuleiros, e alunos do 5.º ano da professora Clementina, que também nos presentearam com leituras dos seus poemas sobre a época festiva que estamos a comemorar e tema central do espectáculo. Também os idosos colaboraram, lançando pétalas sobre os elementos da procissão e alguns até dançaram durante os momentos musicais. No final distribuímos caramelos, poemas e rosas de papel feitas pela mãe de uma colega da turma.

     Queremos agradecer a todos os que participaram nesta iniciativa a sua preciosa colaboração, que muito contribuiu para a alegria que proporcionámos, e ainda ao Lar de S. José que disponibilizou o transporte.

     Aqui ficam algumas quadras com que nos despedimos até à próxima oportunidade.



O sonho é que move a vida

Com força de vontade e paixão.

Todos aqui sonharam e contribuíram

Para dar felicidade à nossa geração.



 A vida é uma surpresa constante

E reúne netos e avós

Que, mesmo sem estarem presentes,

Sempre se lembram de nós.



Todas as idades são de Primavera,

De música, cultura e emoção.

A alegria de todos se espera

Ao ouvirem a nossa canção.



Estamos todos a celebrar

Este encontro de gerações.

Deste dia vamos levar

Grandes e boas recordações

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Camões - recordando um dos seus belíssimos sonetos...

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

                          Luís de Camões

CAMÕES

As Aventuras de Camões

  •  Pouco se sabe sobre a vida de Camões. Ninguém tem muitas certezas sobre o sítio onde nasceu ou mesmo o ano certo do seu aniversário.
  • Como não foi reconhecido enquanto era vivo, pouco se conhece sobre ele. Do pouco que se descobriu, uma coisa é certa: foi um grande aventureiro!
  • Pensa-se que nasceu ou em Lisboa ou em Coimbra entre 1524 e 1525. Não tinha muito dinheiro e por isso viveu com um tio em Coimbra, onde estudou humanidades: a nossa Língua, Literatura e História.
  • Parece que foi um pequeno poeta na corte de Dom João III, mas era incapaz de estar parado, além de ser um grande namoradeiro! Nenhuma miúda escapava aos seus olhares e «conversa»...
  •  Em 1549 partiu para Ceuta (África) em busca de aventura e juntou-se ao exército na luta contra os Mouros!
  • Sabias que foi durante uma grande batalha que perdeu o seu olho direito? Por isso o vemos retratado com uma pala, como os piratas...
  • De volta a Portugal, esteve preso durante um ano (1552) por estar sempre a arranjar confusões e a meter-se em lutas.
  • Como não conseguia estar parado, no ano seguinte voltou ao serviço militar e embarcou para o Oriente em busca de mais lutas e aventuras.
  •  Esteve em várias expedições de busca e diz-se que em Macau foi provedor de defuntos e ausentes.
    Um trabalho demasiado parado para si. Depois de ser demitido do cargo embarcou para Goa.
  • Foi aqui que se deu o episódio mais conhecido da sua vida: um naufrágio que matou toda a tripulação.
  • Diz a lenda que nesse naufrágio morreu Dinamene, a companheira oriental do poeta, enquanto Camões se salvava a nado juntamente com os manuscritos de "Os Lusíadas".
  • É essa a imagem que temos dele: a nadar com um braço no ar a segurar "Os Lusíadas", que tinha começado a escrever, e a chegar até uma gruta onde continuou a escrevê-los.
  •  Viveu em Goa até 1557 e nesse ano partiu num navio de volta a Portugal. Fez uma escala em Moçambique onde viveu por alguns anos às custas dos favores de uns poucos amigos.
  • Naturalmente ia sempre escrevendo e namorando...
  • Foi encontrado por Diogo do Couto, um admirador, e retornou a Lisboa por volta de 1569.
    Data dessa época a imagem que hoje temos: um poeta pobre, exilado, saudoso da sua terra.
  •  Dois anos mais tarde publicou "Os Lusíadas", um livro que cantava os feitos dos portugueses, dedicado ao Rei D. Sebastião, que desapareceu em Alcácer Quibir.
  • Durante 3 anos viveu com uma pensão real no valor de 15 000 réis anuais (= 15 escudos, na moeda de hoje ou 7 cêntimos de €uro).
  •  Depois voltou à miséria e morreu num hospital a 10 de Junho de 1580. Por coincidência nesse mesmo ano, Portugal perde a sua autonomia política em favor da Espanha.
  • Em carta a Dom Francisco de Almeida, o poeta refere esse momento: "...acabarei a vida e verão todos que fui tão afeiçoado à minha pátria que não me contentei em morrer nela, mas com ela."

Dia de Portugal

10 de Junho
 
  •  Sabias que Luís de Camões morreu neste dia em 1580?
  • É a razão de este ser o Dia de Portugal, chamado oficialmente Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
  • Este poeta foi uma das pessoas que mais elogiou as aventuras heróicas dos nossos antepassados! Ele próprio era um grande aventureiro!
    Clica aqui e descobre mais sobre as aventuras de Luís de Camões!
  •  Sabias que, há bastantes anos, o 10 de Junho era chamado o «Dia da Raça»? «Raça» lusitana, ou seja, todos os que são portugueses, tanto os que estão em Portugal como os que vivem por todo o mundo!
  • Nessa época falava-se muito de heroísmo e orgulho na nação. Na justa medida, são elementos importantes para manter uma cultura e um sentimento patriótico.
  • Mas repara: patriotismo não se deve confundir com nacionalismo. Neste último, os sentimentos positivos de pertença a um país (patriotismo) tornam-se negativos e o acha-se que o próprio país é «superior» a todos os outros... Isso pode ser mau.
  • Bom, e agora outra questão:
    Sabias que a nossa língua é a 7ª mais falada do mundo? E olha que existem milhares de línguas e dialectos!
  •  Mas não é só Camões que representa o nosso país. Existem outros símbolos que nos representam e que também têm história:
    - a bandeira nacional;
    - o hino nacional;
    - a moeda nacional (até à chegada do euro);
    - e a língua portuguesa

segunda-feira, 6 de junho de 2011

CAMPANHAS DE SOLIDARIEDADE DO 8ºC – 3º PERÍODO


Foi mais uma vez com orgulho e espírito voluntário que alunos da turma C do 8º ano participaram numa campanha de solidariedade, no âmbito do seu Projecto de Turma “Ser Solidário”.
        De facto, no fim-de-semana de 28 e 29 de Maio, acompanhados da professora Anabela Lopes, tentámos sensibilizar os clientes do Intermarché de Tomar incentivando-os a contribuir para a campanha nacional de recolha de bens alimentares do Banco Alimentar contra a fome. Apesar de algumas recusas, muitas foram as pessoas que generosamente ajudaram esta causa, permitindo-nos assim encher 9 carrinhos de compras com alimentos, durante a nossa presença.
         Estamos muito orgulhosos do nosso trabalho, e contentes por saber que pudemos ajudar pessoas que não conseguem, por vezes, comprar os alimentos necessários para alimentar com dignidade os seus filhos. Com isto, queremos agradecer a todas as pessoas que gentilmente contribuíram com bens alimentares e reforçar a nossa vontade e a da nossa Escola em ajudar quem mais precisa e transformar desafios em oportunidades… 
          Os alunos do 8ºC: Vera Lourenço Nº21, Ana Catarina Nº1, Mariana Paiva Nº17 e Diogo Lopes Nº11




quarta-feira, 1 de junho de 2011

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA EM PORTUGAL

Dia Mundial da Criança em Portugal
  • Logo desde o início da comemoração do Dia Mundial da Criança, a 1 de Junho, Portugal participou logo nessa celebração.

  • Os governantes portugueses achavam importante colaborar em tudo o que mostrasse que se preocupavam com o bem-estar das nossas crianças!

  • No entanto, por causa do regime de Salazar, ao princípio nem tudo correu bem.
    Apoiava-se a "Declaração dos Direitos da Criança", mas não se fazia nada para que os seus 10 importantes princípios fossem cumpridos.

  • Depois do 25 de Abril, o Dia da Criança foi mais festejado e os pequenos portugueses tiveram direito a leis próprias que ficaram escritas na Constituição da República!

  • Estas leis estavam relacionadas com a educação, saúde e família.

  • A 21 de Setembro de 1990, pouco depois da " Convenção dos Direitos da Criança" se tornar uma lei internacional, Portugal ratificou o documento.
    Ou seja, comprometeu-se a cumprir o que lá está escrito e obedecer aos seus 54 artigos.

  • Isto significa que o governo português deve fazer todo o possível para que as crianças beneficiem dos direitos que estão na "Convenção...".

  • Infelizmente, mesmo com a "Convenção dos Direitos da Criança", ainda existem crianças:
    - que sofrem maus tratos;
    - com má alimentação;
    - que são obrigadas a trabalhar como adultos;
    - que não vão à escola.

  • Apesar de vivermos numa sociedade muito evoluída, a preocupação com as crianças tem de continuar.

  • Porque ainda há muitos países do mundo onde os mais pequenos continuam a trabalhar muitas horas, sem ir à escola e ganhando quase nada.

  • Sabias que em Portugal ainda existem centenas de crianças nesta situação?
    Todos podemos contribuir para mudar isto.

  • Ajuda os pais, mas não faltes à escola: cria um futuro melhor para ti!
  • in Visão Júnior
Dia Mundial da Criança
  • Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o Dia Mundial da Criança não é só uma festa onde as crianças ganham presentes.

  • É um dia em que se pensa nas centenas de crianças que continuam a sofrer de maus tratos, doenças, fome e discriminações (discriminação significa ser-se posto de lado por ser diferente).

  • Sabias que o primeiro Dia Mundial da Criança foi em 1950?

  • Tudo começou logo depois da 2ª Guerra Mundial, em 1945.
    Muitos países da Europa, do Médio Oriente e a China entraram em crise, ou seja, não tinham boas condições de vida.

  • As crianças desses países viviam muito mal porque não havia comida e os pais estavam mais preocupados em voltar à sua vida normal do que com a educação dos filhos. Alguns nem pais tinham!

  • Como não tinham dinheiro, muitos pais tiravam os filhos da escola e punham-nos a trabalhar, às vezes durante muitas horas e a fazer coisas muito duras.

  • Sabias que mais de metade das crianças da Europa não sabia ler nem escrever? E também viviam em péssimas condições para a sua saúde.

  • Em 1946, um grupo de países da ONU (Organização das Nações Unidas) começou a tentar resolver o problema. Foi assim que nasceu a UNICEF.
    Clica aqui para leres sobre esta organização.

  • Mesmo assim, era difícil trabalhar para as crianças, uma vez que nem todos os países do mundo estavam interessados nos direitos da criança.

  • Foi então que, em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres propôs às Nações Unidas que se criasse um dia dedicado às crianças de todo o mundo.

  • Este dia foi comemorado pela primeira vez logo a 1 de Junho desse ano!

  • Com a criação deste dia, os estados-membros das Nações Unidas, reconheceram às crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social o direito a:
    - afecto, amor e compreensão;
    - alimentação adequada;
    - cuidados médicos;
    - educação gratuita;
    - protecção contra todas as formas de exploração;
    - crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.

  • Sabias que em só nove anos depois, em 1959 é que estes direitos das crianças passaram para o papel?

  • A 20 de Novembro desse ano, várias dezenas de países que fazem parte da ONU aprovaram a "Declaração dos Direitos da Criança".
    Trata-se de uma lista de 10 princípios que, se forem cumpridos em todo o lado, podem fazer com que todas crianças do mundo tenham uma vida digna e feliz.

  • Claro que os Dia Mundial da Criança foi muito importante para os direitos das crianças, mas mesmo assim nem sempre são cumpridos.

  • Então, quando a "Declaração" fez 30 anos, em 1989, a ONU também aprovou a "Convenção sobre os Direitos da Criança", que é um documento muito completo (e comprido) com um conjunto de leis para protecção dos mais pequenos (tem 54 artigos!).
    Clica aqui para os leres. Estão escritos de uma forma mais simples para tu os perceberes melhor.

  • Esta declaração é tão importante que em 1990 se tornou lei internacional!

  • in Visão Júnior

A COR QUE SE TEM


"A cor que se tem"

de Maria Cândida Mendonça


Quando for crescida
hei-de inventar
um perfume de encantar.
Quem o cheirar
há-de ficar
com cor de pele
que mais gostar.
Branco ou amarelo
se preferir
preto ou vermelho
é só decidir.
Para alegrar
até estou a pensar
outras cores acrescentar.
Cor de rosa
verde ou lilás
são cores bonitas
e tanto faz.
E assim
há-de chegar
o dia de acreditar
que o valor
de alguém
não se pode avaliar
pela cor que tem
e então
tudo estará bem.

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA

O primeiro Dia Mundial da Criança foi em 1950. Após a 2ª Guerra Mundial, em 1945, os países da Europa, Oriente Médio e China, entraram em crise. As populações destes países viviam muito mal, em especial as crianças. Os adultos estavam preocupados em retornar a sua vida cotidiana normal, relegando a educação a último plano. Muitos ficaram órfãos, e muitos que tinham ainda seus pais vivos tiveram de ir trabalhar pesado para contribuir para o sustento da família.
Foi quando em 1946, a ONU (Organização das Nações Unidas), começou a tentar mudar esta situação, deu-se então o surgimento da UNICEF que é conhecida mundialmente pelo que faz pelas crianças em todo o mundo!
Apesar de todos os esforços na altura, ainda era difícil fazer com que o mundo olhasse para os direitos das crianças, então em 1950 a Federação Democrática Internacional das Mulheres, propos a ONU que fosse criado um dia dedicado as crianças em todo o mundo. * Este dia foi comemorado pela primeira vez em 1 de Junho de 1950.

Site da O N U